- 5790FBE8A27AC0FA6FCB89065534CF70

Câmera de Segurança: Significados, Caraterísticas, 17 Tipos de Câmeras

Este artigo trás informações muito relevantes e esclarecedoras sobre a câmera de segurança utilizada nas atividades de segurança privada e pública. Aborda as principais definições relacionadas as câmeras de segurança, sua origem e principais características, funcionamento e benefícios. Trás também uma lista dos principais tipos de câmeras de segurança utilizadas na atualidade.

As Câmera de Segurança são um dispositivo eletrônico dotado de mecanismos que captura imagens em tempo real, processa e envia para dispositivos de monitoramento e/ou armazenamento. Diferentemente da câmera fotográfica, a câmera de vídeo é capaz de registrar movimentos, trazendo assim uma maior dinâmica ao resultado final.

Atualmente existem diversos tipos de câmeras: as microcâmeras para aplicações mais simples, câmeras profissionais para aplicações onde se exige uma grau de segurança maior, câmeras speed domes, para aplicações de grande porte e grande versatilidade, entre outras. Este artigo traz um breve resumo sobre este recurso de segurança eletrônica de extrema importância na atualidade para as atvidades de segurança privada e pública.

Escrito por José Sérgio Marcondes
Postado 08/09/2021

Origem da Câmera de Vídeo?

Uma das invenções tecnológicos mais impressionantes de nossa história é a capacidade de captura de “imagem em movimento”, isto é, da apreensão de imagens dinâmicas da realidade, e não estáticas, como é o caso da fotografia.

A captura da “imagem em movimento” foi possível a partir de 1889 com a invenção do cinetoscópio por William Dickson, assistente do inventor americano Thomas Edison. Esse invento e os modelos que o sucederam na década seguinte contribuíram para o desenvolvimento da câmera de segurança de hoje.

 tecnológico

O espectador do cinetoscópio tinha um tempo limitado de 15 minutos para observar as imagens no interior de uma câmara escura por meio de um orifício em que colocava um dos olhos. Nesse contexto, a experiência visual proporcionada pelo cinetoscópio não podia ser feita coletivamente. Edison não chegou a patentear o invento, o que abriu portas para outros inventores, sobretudo da Europa, aperfeiçoarem o modelo.

cinematógrafo

No ano de 1892, o francês Léon Bouly conseguiu, a partir do cinetoscópio, desenvolver o cinematógrafo, um modelo que conseguia gravar e projetar a luz das imagens-em movimento em tela, em quadros por segundo. Contudo, Bouly não possuía dinheiro para registrar a patente do invento.

O cinematógrafo acabou por ser patenteado pelos irmãos Lumière, que passaram, a partir de 1895, a fazer várias produções cinematográficas de pequena capacidade e a exibi-las em sessões especiais para isso.

Primeira Câmera Portátil

A primeira câmera de vídeo portátil do mundo tinha a forma de um fuzil. Inventado pelo cientista Étienne-Jules Marey, o “Primeira Câmera Portátil” foi revelado pela primeira vez em 1882.

Primeira Câmera Portátil

Ele foi feito para capturar vídeo de aves em voo, e conseguia gravar 12 imagens por segundo, cada uma com exposição de 1/720 de segundo. As imagens eram registradas em um disco (embutido na arma) que continha 12 quadros, ou em um cilindro externo com placas sensíveis. No vídeo ao lado, o senhor grava a imagem no disco; ele também poderia acoplar o cilindro ao fuzil (como na imagem abaixo) e filmar mais um pouco.

Como este dispositivo era leve o suficiente para carregar na mão, Marey conseguia acompanhar o objeto filmado enquanto ele se movia. De certa forma, então, os cientistas acidentalmente inventaram o conceito de movimento panorâmico.

Origem da Câmera de Segurança

Com o aumento da violência urbana e a impossibilidade de se colocar um policial em toda parte das cidades, a segurança pública americana percebeu que poderia fazer uso das câmeras de vídeos para multiplicar os olhos do policiamento e consequentemente potenciar sua ação de vigilância e prevenção de crimes nas cidades.

A ideia de uso da câmera de vídeo para fins de segurança surgiu em 1965 em Nova York, onde foram instaladas pela primeira vez diversas câmeras de segurança nas ruas da cidade pela polícia, antes de existir o termo segurança eletrônica. Originalmente as câmeras de segurança precisam ser monitoradas o tempo todo por um agente de segurança, as imagens não eram armazenadas.

Origem das Câmeras de Segurança

Com surgimento das fitas cassetes em 1970 a tecnologia das câmeras de segurança avançou e possibilitou o armazenamento das imagens, este foi um grande avanço em termos de possibilidades de uso das câmeras na segurança, porém, o estoque de fitas era imenso pois a capacidade máxima de gravação era de aproximadamente 3h por fita. A fita K7 possibilitou que o CFTV fosse popularizado no uso doméstico e empresarial.

Por volta dos meados do ano de 1980 o uso de câmeras de segurança foi expandido para o trânsito e áreas menos movimentadas da cidade, foi quando surgiu a primeira câmera CCD, estas câmeras permitiam filmar em locais com baixa luminosidade.

Em 1996 surgiu a primeira câmera IP lançada no mundo, que já utilizava navegadores web como plataforma padrão para visualização de imagens.

A câmera PI popularizou e potencializou ainda mais o uso das câmeras de segurança, vindo a permitir seu uso desde grandes empresas até o cidadão comum, em médias e pequenas residências. Desde então as câmeras de segurança evoluem ano a ano de acordo com os avanços da tecnologia, principalmente aqueles relacionadas a Tecnologia da Informação.

O que é uma Câmera de Segurança?

Câmera de segurança é um dispositivo eletrônico dotado de mecanismos que captura imagens em tempo real, processa e envia para dispositivos de monitoramento e/ou armazenamento. Diferentemente da câmera fotográfica, a câmera de vídeo é capaz de registrar movimentos, trazendo assim uma maior dinâmica ao resultado final.

As câmeras de segurança são uma tecnologia avançada para videomonitoramento que auxiliam nas atvidades da segurança privada e da segurança pública. Elas oferecem vários benefícios: visualização em tempo real, gravação de imagens, e até detecção e alertas de eventos programados por meio de IA (Inteligência Artificial).

As câmeras de segurança são equipamentos destinados a converter níveis de iluminação e cor em sinais elétricos, seguindo certos padrões. Todas as câmeras possuem elementos (sensores) os quais são atingidos pela luz.

Todas as câmeras de segurança incluem três elementos básicos:

• O sensor de imagem converte a luz (fótons) em sinais eletrônicos;
• A lente que reúne luz refletida de um sujeito e concentra a luz no sensor de imagem; e
• O processador de imagem que organiza, otimiza e transmite os sinais de vídeo.

Atualmente existem diversos tipos de câmeras de segurança: as microcâmeras para aplicações mais simples, câmeras profissionais para aplicações onde se exige uma grau de segurança maior, câmeras speed domes, para aplicações de grande porte e grande versatilidade, entre outras.

Câmeras de segurança

Para que Serve a Câmera de Segurança?

As câmeras de segurança servem para monitorar uma área, local ou edificação com intuito de exercer vigilância, identificar anormalidades, e para fornecer informações visuais de uma situação em andamento ou ocorrida.

Atualmente as câmeras de segurança têm sido usadas para monitorar residências, condomínios, espaços comerciais, shoppings, empresas, pontos comerciais, espaços públicos, lojas entre outros locais.

As câmeras de segurança tem a intenção de promover a segurança e favorecer o controle social, servindo assim, como meio auxiliar no combate a violência buscando amenizar os atos criminosos sem ferir os direitos dos cidadãos.

Limitações sobre uso da Câmera de Segurança

Embora seja considerada uma excelente ferramenta de auxílio as atvidades da segurança, as câmeras, assim como qualquer outro equipamento de segurança, tem suas limitações de uso, sendo um deles o direito a privacidade.

O artigo 5º da Constituição Federal de 1988, em seu inciso X, deixa claro que “são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação”. Desta forma a instalação de câmeras de segurança em banheiros, quartos, vestiários e qualquer outro lugar destinado à troca de roupa, pode ser considerado como exagero e uma violação direta a intimidade do indivíduo.

Neste contesto, a instalação de câmeras de segurança deve sempre levar em consideração os limites legais sob pena de cair em violação da intimidade, da privada u da honra das pessoas. Outros fatores limitadores ou prejudiciais ao uso das câmeras estão relacionados ao ambiente e infraestrutura existente como: qualidade das câmeras, iluminação, nevoeiros, chuva intensa, temperaturas extremas, fonte de energia e meio de transmissão de sinais.

Objetivos da Câmera de Segurança?

Dentro de seus objetivos as câmeras de segurança operam em três instâncias: a primeira é a preventiva, no qual se espera que as infrações e crimes sejam evitados devido ao receio de serem identificados; segunda é a repressiva, quando o monitoramento é acompanhado em tempo real o que permite a intervenção imediata de uma equipe de pronta resposta, e por último, a prova do cometido delito quando as câmeras possuem a função de gravar, sendo essa utilizada no inquérito policial quando for o caso.

Resumo dos principais objetivos das câmeras de segurança:

  • Dissuadir ações criminosas e de violações de normas e regras;
  • Detectar atos e condições de risco, assim como violações de normas e regras;;
  • Auxiliar operações de pronta resposta da segurança, fornecendo imagens do cenário de atuação;
  • Fornecer imagens para apuração de responsabilidades (investigação);
  • Fornecer imagens que possam ser usadas como prova de cometimento de crimes ou violações de normas e regras.

Benefícios do Uso da Câmera de Segurança

Apenas o fato da percepção das existência de um sistema de monitoramento com câmeras em um ambiente, seja ele interno ou externo, gera nas pessoas que transitam por esta área, comportamentos amigáveis e atitudes corretas, uma vez que a pessoa não está realmente “só”. Se por um lado isto gera uma sensação de segurança, por outro, pode causar certo incômodo, quando a pessoa tem algo a esconder.

Ao perceber uma câmera de segurança não há como saber quem está por trás dela, se ela esta ligada ou não, e se há alguém observando as imagens naquele momento ou se ela está sendo gravada, isso leva a pessoa a acreditar que está sendo vigiada o tempo todo, e que qualquer ato considerado ilegal poderá ter uma resposta imediata ou posterior, através das imagens captadas e armazenadas. Está sensação por si só já é um fator inibidor de atos criminoso ou de violação de normas e regas.

Como Funcionam a Câmera de Segurança?

O funcionamento da câmera de segurança envolve um conjunto de sensores e dispositivos que permitem a captação, processamento e envio das imagens para uma central de tratamento e armazenamento. Por meio de uma variedade de lentes, a luz é conduzida para o um sensor (CCD ou CMOS). O sensor converte a luz em elétrons. A partir daí, o processo divide-se de acordo com o tipo de sensor que o aparelho possui:

  • Nos aparelhos com CCD, o restante do processo ocorre quando é transportada a carga do chip e lê-se em um canto da matriz. Conversores analógicos para digitais (conversor A/D), por exemplo, modificam o valor de cada pixel em um valor digital, convertendo os mesmos para a medição binária;
  • No caso de dispositivos com CMOS, estes usam inúmeros transistores alocados em cada pixel, utilizada para amplificar e mover a carga, usando fios tradicionais. Os usuários deste sensor digital não necessita de conversor A/D.

O sensor (CCD ou CMOS) faz o trabalho do filme das câmeras analógicas . Nas câmeras digitais o sensor trata-se de um circuito elétrico responsável por registrar pontos (pixels) que somados vão se tornar a imagem que vemos no visor.

Como Funcionam as Câmeras de Segurança?

As câmeras de segurança são compostas por sensores de imagem, dispositivos para captação da imagem. Normalmente são utilizados os CCD (Charge Coupled Device). Os fabricantes têm se utilizado também de sensores do tipo CMOS. Os CCDs são responsáveis pela conversão das imagens visuais em sinais elétricos.

Todo o sistema de CFTV tem como ponto inicial a câmera e é ela que cria a imagem através dos níveis de iluminação capturados do ambiente através da lente e do sensor de imagem . Essa imagem capturada é então processada e transmitida para o sistema de tratamento. Atualmente, existem diversos tipos de câmeras que foram projetadas para diversas aplicações e ambientes diferentes.

Sensores CCD

O sensor CCD foi inventado nos anos 70 nos laboratórios de Bells Labs, durante varias e várias pesquisas relacionadas a circuitos integrados, novos lasers e semicondutores envolvendo sistema de micro e nano eletrônica, nasce de um projeto feito pela mão dos físicos Willard Boyle e George Smith, que mais adiante em 1973, o CCD substituiu os antigos tubos vidicon que eram utilizados nas câmeras de vídeo.

As câmeras que usam sensores de imagem CCD entraram na indústria de CFTV em meados da década de 1980 e agora dominam o mercado de câmeras para luz do dia e pouca luz.

A tecnologia CCD tem muitas vantagens sobre os tubos usados ​​nas primeiras câmeras de vídeo. Os sensores de imagem CCD são menores, geram menos calor e as imagens capturadas são menos suscetíveis a “distorções”. A expectativa de vida de uma câmera CCD varia de 5 a 25 anos.

Sensor CCD  e CMOS

Sensores CMOS

A tecnologia do sensor CMOS, começou a ser criada nos anos 60 e sua descoberta é anterior à criação dos primeiros CCDs. Mas a partir dos anos 90 ele começou sua trajetória para se tornar o grande sucessor do CCD. Hoje em dia o sensor CMOS já é empregado na maioria da câmeras profissionais, superando o CCD, assim como o CCD superou os vidicons (tubos de imagem) antigamente empregados nas câmeras de vídeo.

Os sensores CMOS são comumente usados ​​em aplicativos como câmeras de rede, periféricos de PC e smartphones.

Ao contrário dos sensores CCD, os sensores CMOS endereçam cada pixel individualmente. Eles processam a carga de cada pixel no sensor e transmitem um bit digital de informação. Essa técnica reduz a necessidade de processamento adicional ao longo da via de transmissão.

Os sensores CMOS usam menos energia do que os CCDs porque uma área maior do chip é dedicada aos circuitos de processamento.

Lentes da Câmera de Segurança

A lente de uma câmera de segurança é o primeiro elemento na cadeira de geração de imagem, que consiste na: lente, sistema de processamento da imagem, sistema de transmissão, sistema de recepção e armazenamento, software de gerenciamento e análise de imagens e monitor.

A lente focaliza a luz ou energia no sensor de imagem. O papel da lente é fornecer uma imagem precisa, sem distorções e com foco uniforme para o sensor de imagem.

Os sistemas que exigem imagens de qualidade superior começam com lentes projetadas para produzir uma imagem de alta qualidade para o sensor de imagem. Outros componentes da cadeia de imagem não podem compensar uma lente inferior.

Tipos de Lentes das Câmeras Segurança

As lentes das câmeras de segurança estão disponíveis em três tipos básicos: distância focal fixa, varifocal (distância focal variável) e zoom.

  1. Lentes de distância focal fixa – As lentes de distancia focal fixa são construídas com um conjunto de comprimento focal imutável. Essas lentes são úteis em situações onde a câmera de segurança permanece em uma posição fixa e os requisitos para observar uma área não muda.
  2. Lentes Varifocais – A distância focal das lentes varifocais pode ser alterada dentro de um intervalo específico; no entanto, cada alteração deve ser realizada manualmente na câmera. Além disso, cada vez que a distância focal é alterada, a íris e o foco também podem precisar de ajustes. As lentes varifocais oferecem a flexibilidade de variar o conteúdo da cena e são relativamente baratas quando comparadas às lentes zoom convencionais.
  3. Lentes de zoom – Ao contrário das varifocallens, a lente de zoom é projetada para manter a configuração de foco em toda a faixa de distância focal. As lentes de zoom na indústria de CFTV geralmente são construídas com motores integrados para permitir a alteração da distância focal de um local remoto. Eles são usados ​​em câmeras que monitoram diferentes partes de uma cena ou podem fazer panorâmicas e inclinações para monitorar diferentes locais.

Tipos de Câmeras de Segurança

Atualmente existem diversos tipos de câmeras de segurança para diversas aplicações, onde o responsável pelo projeto de segurança deve definir qual a melhor a ser empregada de acordo com as características do projeto em desenvolvimento. É muito importante saber identificar a utilização mais adequada para cada tipo.

O modelo de câmera de segurança mais adequado para um sistema vídeomonitoramento depende do ambiente operacional e como ele se integrará ao sistema. As respostas para as perguntas a seguir podem ajudar a determinar o melhor tipo de câmera:

  • A câmera será instalada em ambiente interno ou externo?
  • Qual o objetivo da captação das imagens?
  • Qual é a qualidade da imagem desejada?
  • Que tamanho é o campo de visão desejado?
  • O vídeo será monitorado por uma central de monitoramento em tempo integral?
  • Como será o meio de transmissão dos sinais?
  • Qual o nível de iluminação do local?
  • Quais riscos podem afetar a câmera, impedindo ou dificultando seu funcionamento?

Atualmente existem um grande diversidade de tipos de câmeras de segurança a venda, modelos para praticamente todas as necessidades e condições ambientais. A seguir os principais modelos de câmeras disponíveis no mercado:

1. Câmera de Segurança Analógica

As câmeras analógicas foram as primeiras a se popularizarem na segurança, elas funcionam em um sistema também analógico, ou seja, transmitem as imagens através de cabos coaxiais até entradas AV. Esse tipo de câmera pode ser ligado diretamente em um monitor mas, se quiser fazer a gravação das imagens, precisará conectá-las antes em um aparelho DVR (Digital Video Recorder).

Uma câmera analógica sempre precisará de dois cabos conectados a ela, o cabo coaxial para transmissão das imagens e outro para a alimentação de energia.

Essa tecnologia começou a ser muito difundida na década de 1990 e continua integrando o sistema de muitos equipamentos. O sistema analógico funciona de forma simples, através da captação de ondas na sua forma original, em áudio ou vídeo, que são gravados e processados. Por meio de uma estrutura de cabeamento coaxial, a transmissão do vídeo analógico é feita para um circuito de TV.

2. Câmera de Segurança Digital (Câmeras IP)

Câmera de segurança digital, também conhecida como câmera IP, é uma câmera que usa um sensor eletrônico para digitalizar as imagens e salvá-las na memória. Isso diferencia essas câmeras das câmeras fotográficas analógicas.

As câmeras de segurança digitais armazenam imagens como dados digitais em uma memória. O usuário tem a possibilidade de armazenar as imagens na mesma câmera ou salvá-las em diferentes dispositivos digitais: um computador, uma memória USB, etc.

A câmera IP é o tipo de câmera de segurança construída de forma integrada com sistema de digitalização de imagens, dessa forma, ela possui seu próprio endereço de IP (Internet Protocol que significa protocolo de internet), o que possibilita a sua conexão direta nas redes de redes de Intranet ou Internet.

A câmera IP utiliza o tráfego de imagens em tempo real por uma rede LAN, Intranet ou Internet. Portanto, com ela é possível acessar e monitorar o local acessando Smartphones, Tablets, Desktop, SmartTV.

A câmera IP pode funcionar com um cabo de rede ou por wi-fi, conectada a um computador, NVR (gravador de vídeo em rede) ou em nuvem, capturando as imagens, transmitindo e armazenando em tempo real. Tendência no mundo do monitoramento de sistemas eletrônicos de segurança, estes equipamentos podem filmar em alta resolução, não necessitando de cabeamento (coaxial ou cabo lan), somente fonte de alimentação, tornando o processo de instalação muito mais fácil e rápido.

3. Câmera de Segurança Fixa

As câmeras fixas são aquelas câmeras de segurança montadas em uma posição estacionária e focadas em um único ponto de captação de imagem, tipicamente uma área de interesse específica. Essas câmeras podem ser usadas em área internas e externas.

Câmeras fixas variam de tamanho e podem ser montadas em uma ampla gama de locais (por exemplo, paredes, telhados, postes e etc.).

As câmeras fixas destinam-se a visualização constantemente de uma única cena, que pode ser uma porta de acesso, corredor de passagem ou barreira física. É muito comum a combinação de câmeras fixas e câmeras PTZ para fornecer uma cobertura de vigilância mais ampla e dinâmica.

Atualmente os diversos modelos de câmeras fixas existentes permitem sua integração com Sistema Integrados de Segurança (SIS). Câmeras fixas são geralmente menos caras que as câmeras PTZ e exigem menos manutenção, pois têm menos partes móveis.

4. Câmera de Segruança PTZ

As câmeras PTZ são aquelas câmeras de segurança que permitem a movimentação horizontal, vertical e regulagem da distância focal do campo de captação de imagem.

O termo PTZ é uma sigla que une três funcionalidades em uma câmera de segurança (PAN, TILT e ZOOM):

  • PAN – É a movimentação horizontal (panorâmica) da câmera.
  • TILT – É a movimentação vertical da câmera.
  • ZOOM – É a capacidade de aproximar as imagens com o movimento da lente.

As câmeras PTZ são disponibilizadas em uma variedade de tamanhos e formas para uso interior e exterior. Normalmente, uma câmera PTZ pode ser transformada e inclinada em dois eixos para fornecer recursos de pan e inclinação e a distância focal da lente pode ser variada para alterar o foco.

Esse modelo de câmera de segurança PTZ oferece mais flexibilidade para visualizar e capturar imagens em tempo real do que as câmeras fixas. As câmeras PTZ podem ser operadas manualmente ou em um modo de varredura automática.

No modo manual, o operador da central de monitoramento pode controlar a direção e foco da câmera de segurança, dependendo de necessidades situacionais para capturar detalhes específicos de interesse (características faciais de uma pessoa ou uma placa de veículo).

As câmeras PTZ também podem ser configuradas para varrer automaticamente uma área predeterminada, que não poderia ser coberta por uma única câmera fixa. As posições predefinidas podem ser programadas para alternar exibições com base nos segmentos de tempos especificados. Por exemplo, uma câmera PTZ pode ser programada para alterar sua visualização a cada 10 segundos para capturar diferentes áreas de interesse dentro da área de vigilância geral da câmera.

5. Câmeras de Segurança para Drones

O uso de Drones na segurança privada é algo que vem se tornando comum a cada dia, ele traz diversos benefícios para quem precisa monitorar eventos, condomínios residenciais, empresariais entre outras área. As imagens captadas pelas câmeras do Drone podem ser armazenadas no equipamento ou transmitidas via rádio para central de monitoramento em tempo real.

Os drone podem ser equipados com diferentes tipos de câmeras: câmeras de alta resolução, câmeras noturnas e câmeras com zoom.

O zoom em um drone é capaz ampliar o alcance do monitoramento de segurança de um local. Eles podem manter a qualidade da imagem mesmo a longa distância, por exemplo, sem a necessidade de voar muito perto do local e chamando atenção desnecessária. O tipo de câmera a ser usado vai depender do objetivo e dos recursos disponíveis para a realização do projeto.

6. Câmera de Segurança Veicular

Câmeras veiculares são câmeras de segurança para serem usadas em veículos, elas permitem monitorar, em tempo real, a situação que se encontram a frota de veículos e seus respectivos motoristas. É um dos recursos encontradas pelas empresas de transportes em busca de mais proteção para o transporte de cargas. Este recurso é muito utilizado no sistema de gerenciando de riscos do transporte de cargas.

A câmera veicular pode ser colocada tanto na área interna quanto externa do veículo, próxima ao motorista, apontada para a rodovia ou para a carroceria do caminhão. Há câmeras para estas diversas situações e com funcionalidades para garantir a qualidade da imagem, como alta resolução, grande angulação, visualização noturna e infravermelho. As câmeras veiculares também podem ser analógicas ou IP.

As câmeras veiculares permitem o videomonitoramento, ou seja, é possível ter um acompanhamento em tempo real e também backup de informações para consulta e gerenciamento posterior.

7. Câmera Corporal (Bodycam)

A câmera corporal, em inglês Bodycam, é uma câmera vídeo individual para uso no uniforme do vigilante, com capacidade de capacitação, gravação e transmissão de áudio, vídeo e localização geográfica; com possibilidade de ser monitorada remotamente por um central de monitoramento e de armazenar dados em nuvens.

A câmera corporal é utilizada junto ao corpo (uniforme) do agente de segurança, com objetivo de monitoramento das operações realizadas pelo vigilante.

8. Micro Câmeras

As micro câmeras são câmeras de segurança de pequeno porte, com qualidade bastante limitada. São utilizadas devido ao baixo custo e sua facilidade de instalação. Porém, em ambientes com complexidade de imagens ou em grandes extensões, a qualidade na imagem deixa a desejar.

São bastante populares devido ao baixo custo e fácil instalação. Muitas destas câmeras possuem a possibilidade da troca da lente onde pode haver a melhora da imagem e algumas possuem sistema de infravermelho acoplado para utilização à noite.

A utilização da micro câmera se limita a locais pequenos e onde o alcance é curto. O responsável pelo projeto sempre deverá buscar informações junto ao fabricante sobre as características técnicas para o alcance, mostrando a abertura e a resolução da imagem.

9. Micro Câmera Espião (Câmeras Camufladas ou Ocultas)

Micro câmera espião são câmeras utilizadas de forma “camuflada”, ou seja, são instaladas em locais ocultos. Caracterizam-se por serem câmeras com lente bastante reduzida, mas sem prejuízo à captação da imagem. Pode captar a imagem através de um orifício de até 1,5mm.

São modelos utilizados mais para fins de espionagem ou para registrar imagens sem que as pessoas do ambiente percebam. Essas câmeras tem o formato de objetos do cotidiano, como sensores de incêndio, relógios, porta-retratos, óculos, canetas e muitos outros. Como deve ser bem pequenas, normalmente a qualidade da imagem e seus recursos são limitados. A sua utilização se limita a locais pequenos e onde o alcance é curto.

10. Câmera Segurança Dome

As câmeras domes são pequenas câmeras em formato de doma, ou cúpula. Normalmente mais utilizadas em ambientes internos, nas paredes ou tetos, devido à sua boa cobertura para esse tipo de ambiente e por ser esteticamente mais bonitas e discretas. No entanto, alguns modelos que possuem mais proteção podem ser usadas em ambientes externos.

A câmera dome é a mais comumente usada para vigilância e segurança interna e externa. O formato da câmera torna difícil para os espectadores saberem para que lado a câmera está voltada, dissuadindo os criminosos ao criar um ar de incerteza.

Essas câmeras possuem ótima qualidade de imagem, podendo capturar detalhes de objetos e faces. Outra característica é que a direção em que a câmera está apontando fica oculta, e pode ser ajustada sem muita dificuldade. Muitas vezes essas câmeras também possuem o recurso de Infravermelho.

11. Câmeras de Segurança “Speed Dome”

A câmeras “Speed Dome” são câmeras de segurança extremamente avançadas, têm diversas funções, mas a sua grande característica é que ela se movimenta horizontalmente (360º) e verticalmente (180º), possuem lentes com zoom bastante amplo para longo alcance, têm a função de busca de objetos e pessoas, além de serem do tipo “day/night”.

Normalmente são usadas em conjunto com outros tipos de câmeras, e seu grande diferencial é a sua área de cobertura e o zoom capaz de aumentar imagens e identificar detalhes.

A speed dome é instalada em locais altos e livres de pontos que possam obstruir a captura de imagens. O controle dos posicionamentos é feito por meio de uma mesa controladora ou joystick, pela internet ou uma programação preestabelecida. Os modelos mais atuais têm infravermelhos, que garantem nitidez para imagens com pouca ou nenhuma iluminação no ambiente.

12. Câmera de Segurança Bullet

As câmeras bullet têm um design longo e cônico em forma de cilindro que se assemelha a um cartucho de munição, formato que da origem a seu nome câmera bullet, inglês câmera bala. Elas são usados ​​principalmente ao ar livre, especialmente em áreas onde a visualização é necessária por muito tempo. No entanto, eles podem ser usados ​​em ambientes internos, onde a visualização longa é necessária, como quintais e estacionamentos.

As câmeras bullet são instalados dentro de invólucros de proteção e normalmente são à prova de intempéries. A maioria das câmeras bullet vem com um comprimento fixo que permite o ângulo de visão de até 80 graus. Uma câmera bullet é geralmente equipada com uma lente fixa ou varifocal.

13. Câmera de Segurança 360 Graus

As câmeras de segurança 360° funcionam de forma diferente das câmeras tradicionais. Essas câmeras registram todas as direções e sentidos ao mesmo tempo, conseguindo capturar imagens de maneira semelhante ao ponto de vista do olho humano. Para conseguir esse efeito, os aparelhos 360º precisam, obviamente, ter uma estrutura interna modificada em relação às câmeras comuns.

As câmeras 360 graus são montadas com duas ou mais lentes por dentro, responsáveis por realizar capturas de imagens simultaneamente. Outra diferença básica em relação aos modelos convencionais é que as lentes são do tipo grande angular, que têm maior campo de visão.

A maior parte das câmeras 360 graus atuais trabalham com duas lentes, mas há modelos com 36 dispositivos de captura, como é o caso da Panorâmicas. Em tese, quanto maior o número de lentes, menor a chance de algum ângulo ser perdido, resultando em uma imagem final melhor. Depois de capturadas separadamente, as imagens são “costuradas” via software e transformam-se em uma única cena em 360º.

14. Câmeras de segurança “day/night” (dia/noite)

As Câmeras “day/night oferecem flexibilidade ajustando-se automaticamente às condições de iluminação atuais. Essas câmeras captam imagens coloridas à luz do dia e mudam para preto e branco para melhorar a qualidade da imagem à noite. A câmera depende de uma análise da imagem atual ou de um sensor fotoelétrico para determinar quando remover automaticamente o filtro de corte de infravermelho e alternar para configurações monocromáticas.

15. Câmeras de segruança com Infravermelho

As câmeras de segurança com infravermelho, também conhecida como câmera de segurança com IR ou câmera de segurança para noite, possuem uma tecnologia que emite feixes de luz infravermelho permitindo que a câmera segurança com infravermelho capture a imagem do ambiente mesmo em condições de pouca ou pouquíssima iluminação.

A câmera de segurança com infravermelho é fabricada nas tecnologias analógica, HD ou IP e possui um grande leque de variáveis que implicam na sua performance e alcance. Geralmente identificadas pela distância que podem atingir o feixe de IR, 20 metros, 30 metros, 50 metros, por exemplo, permitem diferentes usos para a câmera segurança com infravermelho.

A câmera de segurança com infravermelho inteligente é um tipo de tecnologia que permite que o feixe de IR seja administrado conforme a distancia do objeto monitorado, dando à câmera segurança com infravermelho maior flexibilidade e performance no trabalho noturno.

Normalmente utiliza-se uma câmera segurança com infravermelho em situações com baixa luminosidade como por exemplo durante a noite ou em locais no interior de algum local onde não capte muita luz do dia.

16. Câmeras Térmicas

Uma câmera termográfica, ou câmera térmica, é um tipo especial de câmera de segurança que possibilita a captura de luz infravermelha com o objetivo de transformá-la em uma faixa visível do espectro. Ou seja, através dela você consegue enxergar as imagens que são feitas a partir da radiação que um determinado objeto emite.

Alguns ambientes operacionais podem exigir uma câmera de imagem térmica para detectar as obstruções, como nevoeiro ou fumaça. As câmeras de imagem térmica detectam a radiação infravermelha ou de calor que é invisível para o olho humano.

Muitas câmeras de imagem térmica possuem processamento de imagem integrado para criar imagens com contraste melhorado. Isso fornece uma melhor definição de recurso e mais nítida, imagens mais claras.

Câmeras térmicas são frequentemente montadas em dispositivos PTZ, bem como em barcos, helicópteros e Drones para vigilância noturna em áreas mal iluminadas. Eles também são disponível como pequenas unidades portáteis com displays internos, que podem ser usado em aplicações de segurança.

17. Câmeras de Segurança Inteligentes

As câmeras inteligentes são câmeras dotadas de Inteligência Artificial (IA), Esse tipo de câmera de segurança é capaz de identificar e alertar movimentos captados na cena monitorada pela câmera. Esse sistema funciona através da integração da tecnologia de deep learning e otimização focada dos algoritmos e softwares. Assim, a câmera é capaz de determinar com precisão quando alertá-lo e notificar um evento.

As câmeras inteligentes podem ser programadas para acionar um alarme se o movimento ocorrer dentro do seu campo de visão. O alarme pode ser programado para gravar, alertar um operador ou ambos.

Linha virtual – Funciona basicamente como uma cerca virtual, Uma “linha virtual” é criada pela câmera num determinado cenário, qualquer objeto/pessoa que passar por essa linha, no sentido que pré-determinado, fará com que o alarme seja disparado.

Processo de Aquisição e Instalação da Câmera de Segurança

O processo de aquisição e instalação de câmeras de segurança deve ser realizado por profissionais qualificados para essa tarefa, e essencialmente deve ser realizado por uma equipe multidisciplinar, formada por especialistas em sistema eletrônicos de segurança e especialistas em vigilância patrimonial/segurança física.

Fazem parte dos requisitos para aquisição e instalação de câmera de segurança:

  • Bem a ser protegido;
  • Características específicas do local;
  • Vulnerabilidades do local;
  • Ameaças existentes;
  • Avaliação de riscos;
  • Estratégia de segurança a ser implementada;
  • Requisitos operacionais;
  • Requisitos técnicos e funcionais das câmeras;
  • infraestrutura disponível;
  • Escalabilidade do sistema;
  • custos;
  • Viabilidade operacional e financeira.

Se você gostou do artigo deixe seu comentário logo abaixo ele é muito importante e relevante para mim.

Leia também…

Sugiro a leitura dos artigos a seguir como forma de complementar o aprendizado desse artigo.

Segurança Eletrônica: O que é, Conceitos e Tecnologias Relacionadas

Câmeras de Segurança IP – O Que é? Como Funciona?

Videomonitoramento: O que é? Como Funciona e Aplicações.

Central de Monitoramento: O que é, Características, Como funciona

Aqui no Blog publico frequentemente artigos relacionados a segurança privada e gestão organizacional, visando sempre agregar conhecimento para os leitores, visando seu desenvolvimento profissional e pessoal. Cadastre seu e-mail logo abaixo e receba avisos sobre novas publicações.

[jetpack_subscription_form show_subscribers_total=”false” button_on_newline=”true” custom_font_size=”16px” custom_border_radius=”0″ custom_border_weight=”1″ custom_padding=”15″ custom_spacing=”10″ submit_button_classes=”” email_field_classes=”” show_only_email_and_button=”true”]

Dados para Citação Artigo

MARCONDES, José Sérgio (08 de setembro de 2021). Câmera de Segurança: Significados, Caraterísticas, 17 Tipos de Câmeras. Disponível em Blog Gestão de Segurança Privada: https://gestaodesegurancaprivada.com.br/camera-de-seguranca-significados-carateristicas//– Acessado em (inserir data do acesso).

"? Fique por Dentro! Junte-se ao Nosso Grupo de WhatsApp!

Quer ser o primeiro a receber todas as atualizações do nosso blog? Então, não perca tempo! Junte-se ao nosso Grupo de WhatsApp agora mesmo e esteja sempre atualizado(a) com as últimas postagens.

Sobre o Autor

José Sergio Marcondes
José Sergio Marcondes

José Sergio Marcondes é formado em Gestão de Segurança Privada e possui MBA em Gestão Empresarial e Segurança Corporativa. É especialista em Segurança Privada, certificado com CES (Especialista em Segurança Empresarial) e CPSI (Certificado Profissional em Segurança Internacional). Atualmente, atua como consultor e diretor do IBRASEP, trazendo uma notável expertise em segurança, além de possuir sólidos conhecimentos nas áreas de gestão empresarial Com mais de 30 anos de experiência na área de segurança privada, acumulando resultados relevantes nas áreas operacionais, administrativas e comerciais.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Solicitar exportação de dados

Use este formulário para solicitar uma cópia de seus dados neste site.

Solicitar a remoção de dados

Use este formulário para solicitar a remoção de seus dados neste site.

Solicitar retificação de dados

Use este formulário para solicitar a retificação de seus dados neste site. Aqui você pode corrigir ou atualizar seus dados, por exemplo.

Solicitar cancelamento de inscrição

Use este formulário para solicitar a cancelamento da inscrição do seu e-mail em nossas listas de e-mail.