- 5790FBE8A27AC0FA6FCB89065534CF70

Portaria de Acesso a Estabelecimento: O que é Características.

Image de uma Portaria

Portaria, também chamada de recepção, é nome dado ao espaço físico de um estabelecimento (empresa, hospital, órgão público, condomínio e etc), destinado a fazer o controle de acesso de pessoas, veículos, objetos, documentos e etc., com objetivo de evitar entradas ou saídas não permitidas ou em desconformidade com as politicas normas e procedimentos do estabelecimento.

Portaria visa proteger o estabelecimento contra o trânsito (entrada/saída) não autorizado, a fim de proteger a organização de furtos, roubos, sinistros, espionagem, sabotagem, terrorismo, acidentes, e outros eventos não desejáveis.

Definição de Portaria

A Portaria de acesso de um estabelecimento é parte integrante do sistema de segurança física, tem como finalidade dar tratamento as necessidades de acesso ao local e de identificar e impedir trânsito não autorizado de pessoas, veículos, equipamentos, documento e etc.

É parte integrante do sistema de segurança física, refere-se ao ponto de controle de acesso de um perímetro de segurança delimitado.

É uma barreira física que representa um ponto de acesso controlado para as pessoas autorizadas e um obstáculo a progressão de um indivíduo não autorizado.

Objetivos da Portaria

  • Centralizar, potencializar e padronizar a recepção, identificação e o atendimento de pessoas no estabelecimento;
  • Disciplinar, controlar e registrar o trânsito de pessoas, veículos, documentos, materiais, equipamentos e etc;
  • Dissuadir, impedir ou retardar tentativas de acessos não autorizados.

Atividades Básica da Portaria

  • Controle de acesso físico de pessoas, veículos, materiais, equipamentos, documentos e etc;
  • Atendimento de empregados, prestadores de serviço, visitantes etc;
  • Controle de claviculários (cópias de chaves de departamentos e etc);
  • Controle de guarda volumes;

Importância da Portaria

A portaria é um elemento essencial para a segurança física do estabelecimento, ela faz parte do perímetro de segurança do local, e é considerada um ponto de acesso permitido, desde de que cumprido os requisitos predefinidos.

Ela é um ponto de triagem, inspeção, controle e registro. É passagem obrigatório do meio externo para o interno e vice e versa, ela tem o “poder” de permitir ou negar o acesso ao local em que esta instalada.

Boa parte dos acessos indevidos nas organizações se dão pelas portarias, por falhas humanas ou de procedimentos.

A portaria, é o ponto da barreira perimetral, pelo qual, os indivíduos mal intencionados, mais tentarão utilizar para prática de atos considerados ilegais e prejudiciais a organização. Motivo que a torna fundamental para qualquer sistema de segurança patrimonial adotado.

Construção da Portaria

A construção da portaria deve estar relacionada as características do estabelecimento e a sua finalidade, assim como, a sua necessidade de segurança.

Sua dimensão e estrutura deve levar em consideração a quantidade e tipo de pessoas e objetos que transitaram pelo local, assim como a sua utilização (comercial, industrial ou residencial).

O projeto de construção da Portaria deve levar em consideração o trabalho conjunto entre o arquiteto e um especialista em segurança privada.

Requisitos básicos da Portaria:

O projeto de construção da portaria deve levar em consideração vários fatores, dentre eles:

  • Finalidade do estabelecimento (comercial, industrial, residencial e etc);
  • Quantidade e características das pessoas que transitaram pelo local;
  • Tipo, volume e características dos objetos (veículos, materiais, equipamentos e etc), que transitaram pelo local;
  • Necessidade de segurança do estabelecimento;
  • Conforto e praticidade para os profissionais vão trabalhar no local;
  • Conforto e praticidade para pessoas que serão atendidas no local;
  • Praticidade e operacionalidade para o transito de pessoas, veículos e objetos.

Recursos Necessários a Portaria

Para que a portaria de um estabelecimento possa cumprir suas atribuições são necessários um conjunto de meios e recursos que possibilitem sua organização e funcionamento de forma sistêmica e confiável.

1. Meios Organizacionais

O serviço da portaria deve ser organizado e amparado por políticas, planos, normas e procedimentos, que tornem suas atividades legais, organizadas, viáveis, padronizadas e passíveis de mensurações de resultados;

Exemplos de medidas organizacionais:

  • Plano de segurança da portaria;
  • Planos de Emergência;
  • Normas de conduta;
  • Procedimento de recebimento e identificação de pessoas;
  • Procedimento para trânsito de pessoas, veículos, materiais, equipamentos, documentos e etc;
  • Etc.

2. Recursos Materiais

São os meios materiais e administrativos necessários ao desenvolvimento das atividades da portaria tais como:

  • Mesa, cadeiras, balcão de atendimento;
  • Computador, impressora e outros meios de informática conforme a necessidade;
  • Etc;

3. Recursos Tecnológicos

Os recursos tecnológicos envolvem sistema automatizados de controle de acesso e sistemas de segurança eletrônica, tais como:

  • Software de controle de acesso;
  • Cancela e portões eletrônicos;
  • Sistemas de comunicação;
  • Sistema de iluminação;
  • Sistema de CFTV;
  • Sistema de alarmes;
  • Etc.

4. Recursos Humanos

O recursos humanos são a peça fundamental da portaria, pois são eles que vão operar todo o restante do recursos e meios disponibilizados.

A escolha do profissional que vai atuar na Portaria dependerá da política de segurança e recurso humanos da organização, não há uma regulação legal que defina, com exclusividade, quem pode ou deve trabalhar na portaria. Os profissionais mais utilizados para essa finalidade são:

É importante salientar que, há diferenças de atribuições entre recepcionistas, porteiros, vigias e vigilantes, que devem ser respeitadas a fim de se evitar passivos trabalhistas.

Na Categoria Segurança Física você encontrará vários artigos relacionados a este tema que lhe serão muito úteis.

Participação do leitor

Para continuar publicando e disponibilizando os artigos de forma gratuita a todos, solicito a colaboração dos leitores e leitoras, fazendo pelo menos uma das práticas a seguir:

  • Deixe seu comentário no final dos artigos;
  • Curta e compartilhe as publicações com seus amigos pelas redes sociais;
  • Visualize mais um artigo, essa pratica reduz nossa taxa de rejeição e melhora nosso posicionamento no Google.
  • Cadastre se como leitor e receberá avisos sobre as publicações em seu e-mail.

Forte abraço e sucesso!

Sérgio Marcondes

"? Fique por Dentro! Junte-se ao Nosso Grupo de WhatsApp!

Quer ser o primeiro a receber todas as atualizações do nosso blog? Então, não perca tempo! Junte-se ao nosso Grupo de WhatsApp agora mesmo e esteja sempre atualizado(a) com as últimas postagens.

Sobre o Autor

José Sergio Marcondes
José Sergio Marcondes

José Sergio Marcondes é formado em Gestão de Segurança Privada e possui MBA em Gestão Empresarial e Segurança Corporativa. É especialista em Segurança Privada, certificado com CES (Especialista em Segurança Empresarial) e CPSI (Certificado Profissional em Segurança Internacional). Atualmente, atua como consultor e diretor do IBRASEP, trazendo uma notável expertise em segurança, além de possuir sólidos conhecimentos nas áreas de gestão empresarial Com mais de 30 anos de experiência na área de segurança privada, acumulando resultados relevantes nas áreas operacionais, administrativas e comerciais.

7 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


  1. Olá, boa tarde! Na verdade meu comentário será uma pergunta: trabalho em um condomínio residencial e aconteceu um caso que pra mim foi complicado, mas foi resolvido. Um morador liberou um visitante para a residência e quando a visita chegou, eu solicitei a CNH do condutor e ele me mostrou um distintivo de polícia, pedir os dados (nome e n° do RG), o mesmo questionou, esbravejou e falou que não iria fornecer os dados que foi solicitado. Nessa situações, o que diz a lei? Devo solicitar a CHN do condutor já que é procedimento do condomínio? Como se resolve e como devo proceder nas futuras visitas? Obs.: ele não estava de serviço, era apenas um visitante.

  2. Olá Guimarães!
    Obrigado pela sua contribuição, ela com certeza irá ajudar a sanar dúvidas sobre o assunto.
    Forte abraço e sucesso!

  3. Primeiro agradecer e estender meus cumprimento ao autor do texto, Sr. Sergio Marcondes; pois são enriquecedores e de fácil linguagem e assimilação. quanto a pergunta do nobre colega, entendo que ele busca compreender a questão de atividades similares e sua correspondente remuneração. deixo como contribuição que o profissional de vigilância e segurança, Vigilante possui uma legislação específica que o diferencia da outra profissão (vigia e porteiro) e assim, esta mais qualificado a executar inclusive as atribuições destes outros profissionais, sem que o inverso seja possível ou seja, o vigia e porteiro não podem realizar funções específicas do vigilante. (diferenças inclusive salariais com a percepção de periculosidade)
    No mais um abraço e fico a disposição para auxiliar no que for preciso para seu continuado sucesso.
    Att.
    Guimarães.

  4. Olá Eribaldo Silva!
    Obrigado pelo seu comentário.
    Forte abraço e sucesso!

  5. Matéria com excelente conteúdo. Fico grato por compartilhar. Continuo acompanhando.

  6. Olá Alexandre!

    Segurança não é uma ocupação profissional e sim o resultado de uma ocupação profissional. A Classificação Brasileira de Ocupações, CBO, não descreve Segurança como uma ocupação profissional.

    De acordo com o dicionário Aurélio, dentro a ótica do artigo, Segurança pode ser entendido como:
    Pessoa cuja atividade profissional consiste em proteger pessoas, instalações ou bens.

    O Vigia desempenha a atividade de observação e fiscalização do local, não é sua função oferecer proteção, resistência ou defesa frente a uma agressão. Não tem formação regulamentada, recurso material ou amparo legal para intervir ou agir no caso de uma ação criminosa, exceto em caso de legitima defesa. O vigia, devido suas limitações de ação, é considerado um auxiliar da segurança.

    A profissão de vigilante, é a única regulamentada pela legislação para exercer a função de segurança propriamente dita. Exige curso de formação regulamentado pela Polícia Federal, e da direito a porte de arma no exercício da sua função.

    Forte abraço e sucesso!

  7. Bem dito
    O segurança e o vigia não é a mesma função? Será ha diferença ou procedimentos em cada responsabilidade? E quais são por favor

Solicitar exportação de dados

Use este formulário para solicitar uma cópia de seus dados neste site.

Solicitar a remoção de dados

Use este formulário para solicitar a remoção de seus dados neste site.

Solicitar retificação de dados

Use este formulário para solicitar a retificação de seus dados neste site. Aqui você pode corrigir ou atualizar seus dados, por exemplo.

Solicitar cancelamento de inscrição

Use este formulário para solicitar a cancelamento da inscrição do seu e-mail em nossas listas de e-mail.