- 5790FBE8A27AC0FA6FCB89065534CF70

Vigilante. Saiba tudo o que precisa saber sobre a profissão e sua importância para sociedade

Conheça os principais conceitos e característica da profissão de vigilante, descubra os requisitos necessários para ingressar na carreira e as áreas onde atuam.

Vigilante é um profissional da segurança privada, devidamente capacitado e autorizado a desempenhar funções de proteção privada para pessoas, áreas, edificações, bens, valores e numerários. É o profissional responsável pela salvaguarda de pessoas, patrimônio e informações, garantindo a ordem e a tranquilidade do local onde atua.

Os Vigilantes atuam em diversos ambientes, desde empresas e eventos até instituições financeiras e órgãos públicos. Sua missão vai além de simplesmente observar e relatar. Eles são treinados para prevenir crimes, controlar acessos, proteger áreas e bens, e até mesmo escoltar valores, autoridades e celebridades.

Se você está curioso para descobrir como funciona a profissão de Vigilante, para que serve e o que faz, ou já atua na área da segurança privada, e deseja expandir e aprimorar o seu conhecimento sobre essa importante profissão. Você está no lugar certo!

Neste artigo, vamos explorar a profissão, as funções e atribuições do Vigilante, os requisitos necessários para ingressar nessa carreira e as diversas áreas em que atuam. Além disso, discutiremos a importância desse profissional para a sociedade, destacando sua colaboração complementar à segurança pública.

Por José Sergio Marcondes – Postado 17/05/2016 a atualizado 29/06/2023

O que é um Vigilante?

Um Vigilante, no contexto da segurança privada no Brasil, é um profissional devidamente capacitado e autorizado a desempenhar funções de proteção privada para pessoas, áreas, edificações, bens, valores e numerários. Ele é responsável pela salvaguarda de pessoas, patrimônio e informações, garantindo a ordem e a tranquilidade no local onde atua.

Os Vigilantes desempenham um papel crucial na segurança privada, contribuindo para a proteção de pessoas e bens, por meio de suas habilidades e conhecimentos adquiridos durante a formação profissional. São os profissionais legalmente responsáveis e autorizados a executarem as atividades de segurança privada no Brasil.

É importante ressaltar que a profissão de Vigilante é regulamentada pela Lei nº 7.102/1983, que dispõe sobre segurança para estabelecimentos financeiros, estabelece normas para constituição e funcionamento da segurança privada no Brasil.

profissão de vigilante

Para que serve o Vigilante?

De forma resumida, o Vigilante serve para garantir a segurança de pessoas, áreas, edificações, bens, valores e numerários; para prevenir crimes; controlar o acesso em áreas e edificações; responder a emergências; e proteger o patrimônio de forma geral.

Sua presença e ações contribuem para a criação de um ambiente mais seguro e protegido, promovendo a tranquilidade e a confiança para pessoas que frequentam um determinado ambiente.

De acordo com a legislação atual, as atividades desenvolvidas pelos Vigilantes são consideradas complementares às atividades de segurança pública, uma vez que seria inviável ao Estado assumir todas as funções da segurança privada, o que geraria grande dificuldade em promover a proteção da população no geral, além dos gastos públicos dessa função.

Enquanto o Policial exerce as atividades de garantia da ordem, de prevenção, repressão, investigação de crimes e aplicação da lei, em espaços públicos. O Vigilante exerce atividades de vigilância preventiva, defensiva e protetiva em espaços públicos e privados específicos, e para pessoas e bens que requeiram um nível de segurança adicional e exclusivo.

Onde trabalha o Vigilante?

De acordo com a lei 7,102, o Vigilante pode trabalhar como empregado em dois tipos de empresas:

  • Nas empresas especializadas em prestação de serviços de segurança privada, onde poderá atuar nas atividades de vigilância patrimonial, escolta armada, transporte de valores ou segurança pessoal, de acordo com a autorização de funcionamento concedida a empresa pela Polícia Federal.
  • Nas empresas que possuem serviço orgânico de segurança, “pessoa jurídica de direito
    privado autorizada pela Polícia Federal a constituir um setor próprio de segurança”, onde poderão atuar na vigilância patrimonial ou de transporte de valores, conforme autorização concedida pela PF a empresa.

Como empregado de empresas especializadas, os Vigilantes prestam serviços de segurança em diversos estabelecimentos como: empresas públicas ou privadas, órgãos públicos, hospitais, repartições públicas, shopping center, bancos e etc.

O que faz o Vigilante?

O Vigilante pode atuar na proteção de pessoas, áreas, edificações, bens, valores e numerários, prestando serviços de segurança privada. De forma geral as atividades realizadas pelos Vigilantes podem ser agrupadas em: vigilância patrimonial, transporte de valores, escolta armada, segurança pessoal privada e vigilância patrimonial em eventos sociais

a) Vigilância patrimonial:

A vigilância patrimonial refere-se ao conjunto de ações e medidas adotadas para proteger um patrimônio, como instalações físicas, propriedades, residências, equipamentos e estoques. Para atuar na vigilância patrimonial o interessado tem que frequentar e ser aprovado no curso de formação de Vigilante.

O objetivo principal da vigilância patrimonial é prevenir e detectar possíveis ameaças, como roubos, furtos, invasões ou danos ao patrimônio, por meio da presença de Vigilantes e da utilização de sistemas de segurança, como câmeras de vigilância, alarmes e controle de acesso.

b) Transporte de valores:

O transporte de valores envolve o deslocamento seguro de dinheiro, cheques, documentos valiosos e outros objetos de alto valor. Essa atividade é realizada por empresas especializadas e exige procedimentos rigorosos de segurança para evitar roubos e garantir a integridade dos valores durante todo o percurso.

Os Vigilantes para executarem esse tipo de atividade precisam frequentar e ser aprovados no curso de extensão em transporte de valores. Os veículos (carro forte) utilizados são especialmente projetados para resistir a ataques e contam com sistemas de rastreamento, comunicação e segurança avançados.

c) Escolta armada:

A escolta armada consiste na proteção e acompanhamento de pessoas, veículos ou cargas de alto valor, utilizando Vigilantes armados, que para executarem esse tipo de atividade precisam frequentar e ser aprovados no curso de extensão em escolta armada.

Essa modalidade de segurança é empregada em situações de risco elevado, onde há a necessidade de um nível adicional de proteção. A escolta armada visa prevenir assaltos, ataques ou sequestros, garantindo a segurança do que está sendo escoltado por meio de uma presença ostensiva e armada.

d) Segurança pessoal privada:

A segurança pessoal privada é um serviço voltado para a proteção de indivíduos específicos, como autoridades, executivos, celebridades ou pessoas que estejam sujeitas a ameaças ou riscos. Os Vigilantes responsáveis pela segurança pessoal, devem frequentar e ser aprovados em curso de extensão em segurança pessoal

Os Vigilantes de segurança pessoal privada (VSPP) utilizam técnicas de observação, planejamento de rotas, gerenciamento de crises e habilidades de defesa pessoal para assegurar a segurança do cliente.

e) Vigilância patrimonial em eventos sociais:

A vigilância patrimonial em eventos sociais refere-se à atividade de segurança privada realizada em eventos sociais que reúnam pessoas com o mesmo objetivo e possuam duração delimitada no tempo, realizados em estádios, ginásios, exposições, espaços culturais, arenas ou outros locais, públicos ou privados.

Os Vigilantes para executarem a vigilância patrimonial em eventos sociais precisam frequentar e ser aprovados no curso de extensão em segurança para eventos sociais.

Quais são os tipos de Vigilante?

De forma geral, podemos dizer que existem diferentes tipos de Vigilantes, cada um com atribuições específicas de acordo com a sua formação e extensão. A seguir alguns dos principais tipos de vigilantes:

  1. Vigilante Patrimonial: O vigilante patrimonial é o tipo mais comum de Vigilante e atua na proteção de áreas, edificações, pessoas, bens, e patrimônio em geral. Ele realiza rondas e ocupa postos de serviço, monitora sistemas de segurança, controla o acesso de pessoas e veículos, e age para prevenir roubos, furtos e danos ao patrimônio.
  2. Vigilante de Segurança Pessoal Privada: o vigilante de segurança pessoal é especializado na proteção de pessoas. Ele pode atuar na escolta e proteção de executivos, autoridades, celebridades e outras pessoas que necessitam de segurança pessoal especializada.
  3. Vigilante de Transporte de Valores: o vigilante de transporte de valores é aquele responsável pelo transporte, escolta e proteção de valores, numerários, documentos e objetos de alto valor. Esses vigilantes recebem treinamento específico para lidar com situações de risco durante o transporte de valores.
  4. Vigilante de Escolta Armada: o vigilante de escolta armada é aquele responsável pela segurança e proteção de cargas, escoltas e transportes de alto risco. Eles atuam em conjunto com equipes de escolta armada, utilizando armamento e equipamentos especiais para garantir a segurança durante o deslocamento.

É importante ressaltar que cada tipo de Vigilante requer uma formação específica e a obtenção das habilitações correspondentes (curso de extensão), além do curso básico de formação de Vigilantes. A atuação de cada tipo de Vigilante também está sujeita a regulamentações e procedimentos específicas.

Qual a importância do Vigilante?

O Vigilante desempenha um papel fundamental na sociedade, complementando as atividades dos profissionais da segurança pública. Sua importância reside em oferecer uma camada adicional e exclusiva de proteção para pessoas e bens que necessitam de segurança especializada.

Ao atuar na vigilância preventiva, defensiva e protetiva em atividades e espaços públicos e privados específicos, o Vigilante desempenha um papel crucial na prevenção de crimes, garantindo a segurança das pessoas e a integridade do patrimônio. Ele age de forma complementar às forças de segurança pública, permitindo que elas se concentrem no policiamento geral e em atividades que demandam maior atenção e repressão.

A presença do Vigilante contribui para liberar as forças de segurança pública, como a polícia civil e militar, para o desempenho de suas funções essenciais de garantir a ordem, prevenir e reprimir crimes, investigar ocorrências e aplicar a lei. Dessa forma, o Vigilante atua como um complemento, assumindo a responsabilidade pela proteção de pessoas e instituições que exigem um sistema de segurança exclusivo e dedicado.

Assim, a importância do Vigilante está intrinsecamente ligada à sua capacidade de oferecer um nível adicional de segurança, complementando as atividades da segurança pública e contribuindo para a proteção das pessoas, dos bens e dos espaços em que atua.

Onde atua o Vigilante?

Um Vigilante pode atuar em diversos locais e setores, dependendo das necessidades de segurança e proteção. Aqui estão alguns dos principais locais onde um Vigilante pode desempenhar suas funções:

  1. Empresas e indústrias: Muitas empresas e indústrias contratam Vigilantes para proteger suas instalações, bens, equipamentos e funcionários. Isso inclui desde escritórios corporativos até fábricas, depósitos e áreas de produção.
  2. Estabelecimentos comerciais: Vigilantes são comumente encontrados em estabelecimentos comerciais, como shoppings, lojas, supermercados, centros de distribuição e galerias. Eles têm a responsabilidade de garantir a segurança dos clientes, prevenir furtos e garantir o bom funcionamento do local.
  3. Instituições financeiras: Bancos, agências, postos de atendimento bancário e empresas de transporte de valores são locais que requerem segurança especializada devido à movimentação de dinheiro e aos riscos envolvidos. Vigilantes nesses locais protegem os valores, monitoram o acesso e auxiliam na prevenção de assaltos.
  4. Condomínios residenciais e comerciais: Para garantir a segurança dos moradores e usuários, muitos condomínios contratam Vigilantes. Eles controlam o acesso, realizam rondas nas áreas comuns, monitoram sistemas de segurança e auxiliam em situações de emergência.
  5. Eventos: Vigilantes são frequentemente contratados para atuar em eventos, como shows, feiras, congressos, festivais e eventos esportivos. Eles garantem a segurança dos participantes, controlam o acesso, previnem tumultos e atuam em situações de emergência.
  6. Hospitais e clínicas: Instituições de saúde também podem contar com Vigilantes para garantir a segurança dos pacientes, funcionários e visitantes. Eles controlam o acesso a áreas restritas, mantêm a ordem e auxiliam em casos de emergência.
  7. Escolas e universidades: A segurança nas instituições de ensino é uma preocupação crescente. Vigilantes podem ser contratados para monitorar o acesso de pessoas, prevenir atos de violência, controlar o tráfego interno e garantir um ambiente seguro para estudantes e professores.
  8. Áreas públicas e governamentais: Parques, praças, prédios públicos, tribunais e outras áreas governamentais também podem contar com Vigilantes para manter a ordem, prevenir delitos e proteger o patrimônio público.

Esses são apenas alguns exemplos dos locais onde um Vigilante pode atuar. É importante ressaltar que, independentemente do local, a atuação do Vigilante deve estar em conformidade com as leis, regulamentações e diretrizes estabelecidas pelas autoridades competentes, além de seguir as normas internas da empresa contratante.

O que é preciso para ser um Vigilante?

Para se tornar um Vigilante no Brasil, é necessário atender a uma série de requisitos estabelecidos pela legislação vigente e seguir um processo de formação e habilitação específico. Aqui estão os principais passos e requisitos para se tornar um Vigilante:

  1. Idade mínima: É necessário ter no mínimo 21 anos de idade para se candidatar à formação de Vigilante.
  2. Escolaridade: ter instrução correspondente ao quinto ano do ensino fundamental;
  3. Documentação: É necessário possuir documentação regularizada, como RG (Registro Geral), CPF (Cadastro de Pessoa Física) e título de eleitor.
  4. Atestado de antecedentes criminais: Deve ser apresentado um atestado de antecedentes criminais sem registros de crimes que impeçam o exercício da atividade de Vigilante.
  5. Curso de formação: É obrigatório frequentar e ser aprovado em um curso de formação de Vigilante em uma instituição autorizada pela Polícia Federal.
  6. Exame médico e avaliação psicológica: Após a conclusão do curso de formação, é necessário realizar exames médicos e uma avaliação psicológica para comprovar a aptidão física e mental para o exercício da função.
  7. Registro na Polícia Federal: Após a aprovação nos exames médico e psicológico, é necessário solicitar o registro profissional na Polícia Federal, órgão responsável pela fiscalização e regulamentação da segurança privada no Brasil.
  8. Cursos complementares: Dependendo da área de atuação pretendida, podem ser necessários cursos complementares, como transporte de valores, escolta armada, segurança pessoal privada, entre outros. Esses cursos são realizados após a obtenção do registro e acrescentam habilitações específicas ao currículo do Vigilante.

Qual curso preciso fazer para ser Vigilante?

Para se tornar um Vigilante no Brasil, é necessário realizar o Curso de Formação de Vigilante em uma instituição autorizada pela Polícia Federal. Esse curso é obrigatório e tem como objetivo capacitar os profissionais para o exercício da função de Vigilante com competência e conhecimentos necessários.

Além do curso de formação básica, dependendo da área de atuação pretendida, podem ser necessários cursos complementares (extensão), como escolta armada, transporte de valores ou segurança pessoal privada. Esses cursos adicionais fornecem habilitações específicas e são realizados após a obtenção do registro profissional de Vigilante.

Para iniciar o processo de formação de Vigilante, é recomendado entrar em contato com instituições autorizadas pela Polícia Federal em sua região para obter informações detalhadas sobre os cursos disponíveis, requisitos e procedimentos de inscrição.

Quantas horas um Vigilante trabalha por dia?

A carga horária de trabalho de um Vigilante pode variar dependendo do contrato de trabalho, da empresa e das necessidades do local onde ele atua. Ele pode trabalhar em turno de 12 horas ou fazer horários comercial das 08:00h as 17:00hs de segunda a sexta por exemplo. De acordo com a legislação vigente, a jornada de trabalho dos Vigilantes pode ser de até 12 horas diárias, desde que respeitado o limite máximo de 36 horas semanais.

Em geral, a jornada de trabalho dos Vigilantes costuma ser dividida em turnos, como turno diurno e turno noturno, podendo incluir fins de semana e feriados. É comum que a carga horária seja distribuída em escalas de trabalho, que podem variar de acordo com a necessidade do local e a disponibilidade de pessoal.

É fundamental observar que a jornada de trabalho dos Vigilantes deve estar em conformidade com a legislação trabalhista e os acordos coletivos da categoria. Os direitos trabalhistas, como o limite de horas extras, intervalos para descanso e remuneração adicional, devem ser respeitados de acordo com a legislação aplicável.

Portanto, a carga horária diária de um Vigilante pode variar, mas a legislação estabelece limites para garantir a segurança e o bem-estar dos profissionais, evitando a exaustão e a comprometimento da qualidade do serviço prestado.

Qual o mercado de trabalho para o Vigilante

O mercado de trabalho para Vigilantes no Brasil é amplo e oferece diversas oportunidades de emprego. A demanda por serviços de segurança privada tem se mantido estável ao longo dos anos, o que contribui para a existência de um mercado ativo para profissionais da área.

No entanto, é importante considerar que as condições do mercado de trabalho podem variar de região para região e de acordo com o contexto econômico. A concorrência também pode ser um aspecto relevante a ser considerado, uma vez que muitas pessoas buscam ingressar nessa área devido à estabilidade e às oportunidades oferecidas.

Para ter sucesso no mercado de trabalho como Vigilante, é importante investir em qualificação, estar atualizado com as regulamentações e normas da profissão, ter habilidades de comunicação, trabalho em equipe e resolução de problemas, além de demonstrar comprometimento e responsabilidade com a segurança das pessoas e do patrimônio sob sua proteção.

Conclusão:

Ao longo deste artigo, exploramos o mundo do Vigilante, um profissional essencial para segurança privada. Recapitulando os principais pontos abordados, vimos que o Vigilante desempenha um papel crucial na prevenção de crimes, na proteção de pessoas, bens e patrimônio, além de atuar na escolta de valores e na segurança de eventos e áreas específicas.

Destacamos a importância do Vigilante como complemento à segurança pública, permitindo que as forças de segurança concentrem seus esforços no policiamento geral. Sua atuação dedicada e profissional contribui diretamente para a tranquilidade da sociedade e a preservação da ordem.

Reconhecer a relevância do vigilante é compreender que esses profissionais são os verdadeiros guardiões da segurança, oferecendo um nível adicional de proteção a espaços que demandam atenção especial. Sua presença é fundamental para a salvaguarda de vidas, a integridade de bens e a manutenção da ordem em locais estratégicos.

Para saber mais sobre a profissão de vigilância e a importância da sua qualificação convido você a ler o meu artigo sobre o “Curso de Formação de Vigilante“. Onde abordo as principais características desse curso, seus objetivos e requisitos, grade curricular, onde fazer e muitos mais.

Se você gostou do artigo e achou útil, por favor, deixe um comentário logo abaixo para compartilhar sua opinião conosco. Ela é extremamente valiosa para mim!

Um forte abraço e votos de sucesso!

José Sergio Marcondes – CES – CPSI – Gestor, Consultor e Diretor do IBRASEP. Sou um profissional com competências sólidas nas áreas de segurança privada e gestão empresarial. Conecte comigo nas redes sociais.

Ajudar a divulgar nosso trabalho é fundamental! Curta e compartilhe nossas publicações com seus amigos nas redes sociais. Essa atitude não apenas incentiva o autor a publicar mais artigos relevantes, mas também possibilita que mais pessoas tenham acesso a esse conteúdo valioso.

Faça parte da nossa comunidade!

Você busca conhecimentos atualizados e oportunidades para aprimorar suas competências nas áreas de segurança privada e gestão empresarial? Não perca a chance de se manter informado e conectado com as últimas tendências e insights do setor!

Inscreva-se em nossa Newsletter e junte-se ao nosso Grupo no WhatsApp para receber notificações sobre novos artigos, dicas valiosas e recursos adicionais que impulsionarão sua carreira profissional.

Leia também…

Sugiro a leitura dos artigos a seguir como forma de complementar o aprendizado desse artigo.

Direitos e Deveres do Vigilante: O que são? Quais são? Onde estão?

Vigilante Patrimonial: O que é? CBO, O que faz, Direitos e Deveres

Vigilante de Escolta Armada: O que é, O que Faz, Como Ser?

Vigilante de Transporte de Valores: O Segurança de Carro Forte

Vigilante de Segurança Pessoal Privada, VSPP. O que é, O que Faz?

Dados para Citação Artigo

MARCONDES, José Sérgio (17 de maio de 2016). Vigilante: O que é, tipos, para que serve, onde atua e o que faz? Disponível em Blog Gestão de Segurança Privada: https://gestaodesegurancaprivada.com.br/profissao-de-vigilante/– Acessado em (inserir data do acesso).

Referências Bibliográficas

LEI Nº 7.102, DE 20 DE JUNHO DE 1983

"? Fique por Dentro! Junte-se ao Nosso Grupo de WhatsApp!

Quer ser o primeiro a receber todas as atualizações do nosso blog? Então, não perca tempo! Junte-se ao nosso Grupo de WhatsApp agora mesmo e esteja sempre atualizado(a) com as últimas postagens.

Sobre o Autor

José Sergio Marcondes
José Sergio Marcondes

Graduado em Gestão de Segurança Privada, MBA em Gestão Empresarial e Segurança Corporativa. Detentor das Certificações CES (Certificado de Especialista em Segurança Empresarial), CPSI (Certificado Profesional en Seguridad Internacional), CISI (Certificado de Consultor Internacional en Seguridad Integral, Gestión de Riesgos y Prevención de Pérdidas). Mais de 30 anos de experiência na área de segurança privada. Consultor e diretor do IBRASEP, trazendo uma notável expertise em segurança, além de possuir sólidos conhecimentos nas áreas de gestão empresarial.

50 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


  1. Olá Ronnison Pereira!
    Obrigado pelo seu comentário.
    Forte abraço e sucesso!

  2. Excelentes todos os conteúdos de cada asuntos abordados, dou meus parabéns a todos e ao gestor do Blog de Gestão de Segurança Privada,que nos deu o privilégio de adquirir mais conhecimentos na área de Segurança Privada com instruções essenciais e muito valiosas…

  3. Olá Fabio Aparecido!
    Não há nada em lei que proíba o uso de barba e bigode pelo vigilante, é uma questão de tradição, devido a origem militar da segurança, e norma das empresas de segurança. Já existem empresas no Brasil que estão autorizando seus colaboradores usarem barba.
    Espero ter tirado sua dúvida.
    Forte abraço e sucesso!

  4. O vigilante pode possuir barba ou bigote..
    tem algum lei referente a esse assunto.
    As vezes venho trabalhar apenas com uma barba baixa e mesmo assim sou cobrado pelo superior para retirar.

  5. Olá João Batista!
    Fico muito feliz em saber que você gosta de ler os artigos do blog. Continue sua jornada de busca de conhecimento, sua recompensa virá no futuro.
    Obrigado pelo seu comentário.
    Forte abraço e sucesso.

  6. Eu gosto muito de ler os artigos postados no blog, só tenho a agradecer porque estou aprendendo cada vez mais sobre a segurança privada no Brasil.

  7. Olá Francisco!
    Sim é possível, você apenas precisa se naturalizar brasileiro.
    Forte abraço e sucesso.

  8. É possível fazer o curso e exercer a carreira sendo estrangeiro residenciado no Brasil? Sou Venezuelano e estou interessado em fazer desta a minha carreira profissional

  9. Olá Juliana!
    Obrigado pelo seu comentário.
    Forte abraço e sucesso.

  10. Olá Heneique!
    Obrigado pelo seu comentário.
    Forte abraço e sucesso.

  11. Muito bom o Blog de vocês. Útil pra caramba e muito objetivo!
    Obrigado pelo trabalho

  12. Olá Kedma!
    A legislação sobre segurança privada regula somente as atividades privadas, no caso em questão é uma vaga para serviço público e está sujeita as normas e regras do edital e estatuto do servidor público relacionado a vaga em questão. Embora o cargo seja para vigilante, por ser um concurso público, não tem a obrigação de seguir as normas legais da segurança privada.
    Forte abraço e sucesso.

  13. Olá! Passei em um concurso público em que no edital estava disponível esse cargo:” vigilante”, porém os requisitos e atribuições do cargo não correspondem ao que está previsto em lei. É provável que eles se equivocaram na utilização do termo quando foram publicar o edital?

  14. Olá Giovane!
    Fico muito feliz em saber que gostou, forte abraço e sucesso.

  15. Gostei! Quando fala que o vigilante temque se valorizar, vejo muitos vigilante puxando saco de pm.

  16. Olá Tamires!
    O trabalho dele, assim como os benefícios, deverão seguir o estatuto e normas legais dos servidores públicos da Câmara em questão.
    Forte abraço e sucesso.
    Forte abraço e sucesso.

  17. Boa tarde
    meu irmão passou em um concurso da câmara de vereadores do município
    nesse caso o regime jurídico é o estatutário, certo?
    em relação a carga horaria trabalhada e ao piso salarial, qual regra deve seguir?
    obrigada

  18. OLá Valdirlei!
    Seu pai faz parte do grupo de risco e deveria estar em casa de quarentena. Ao não proceder dessa forma a empresa esta violando as recomendações governamentais.

  19. Boa noite. Meu pai é vigilante, já tem 61 anos de idade, possui problemas de coração e hipertensão, ele aguarda a aposentadoria especial sair enquanto trabalha, o problema é que ele está na faixa de risco com este atual virus Covid-19 ou corona vírus. Ele é obrigado a trabalhar mesmo sabendo que a vida dele corre grande risco se comparado a um vigilante jovem? Já tentamos entra em contato com o recursos humanos da empresa que ele trabalha mas sem sucesso.

  20. Olá Everton!
    Você precisa fazer o curso de formação de vigilante, de extensão na área desejada. Não é necessário esperar um ano. Não trabalhar de forma particular, tem estar registrado como empregado de uma empresa. Só tem porte de arma de fogo em serviço e só pode utilizar a arma fornecida pela empresa. Não pode fazer uso de arma particular na função de vigilante.
    Forte abraço e sucesso.

  21. Olá, muito interessante o site!

    Estou querendo iniciar na profissão porem tenho algumas duvidas.

    Posso me formar no curso de vigilante e logo em seguida fazer o VSPP e já atuar com VSPP?

    Existe alguma regra quanto a prazos para exercer funções, por exemplo 1 como vigilante pra depois exercer VPSSP, ai 1 ano como VSPP para poder exercer transporte de valor ou escolta ?

    VSPP pode exercer a função como segurança particular?

    É permitido a compra, registro e porte de arma a vigilante?

    Desde já agradeço

  22. Olá Francisco!
    Obrigado pelo comentário.
    Forte abraço e sucesso.

  23. Muito interessante mesmo .
    Tem muita gente que caiu de paraquedas nesta profissão.

  24. Boa tarde Mary!
    Não existe nenhuma lei que obrigue essa prática.
    Forte abraço e sucesso.

  25. Qual o número da lei que nos obriga a fazer reciclagem nas folgas

  26. Olá Valter!
    Não há uma regra especifica sobre o assunto.
    Isso depende das características da área, do objetivo da atuação e dos meios utilizados. Porém é importante frisar que a atividade deve respeitar as condições que garantam a saúde e bem estar do profissional envolvido, sob pena de reclamações jurídicas as sobre condições de trabalho danosa a saúde ou a dignidade (imagem) do envolvido.
    Forte abraço e sucesso!

  27. Qual é a área mínima e máxima e
    m metrôs qdrados q um vigilante pode atuar

  28. Olá Fabiano!
    De acordo com a legislação, você necessitaria ter uma ano de experiencia na função de vigilante patrimonial, porém, devido a sua experiencia militar, sugiro uma consulta a Policia Federal, para checar a possibilidade da sua experiencia militar ser considerada para o exercício da VSPP.
    Forte abraço e sucesso.

  29. Olá José! Tenho uma dúvida referente a Vigilante VSPP.

    Terminei meu curso de formação de vigilante e iniciarei a extensão para VSPP.
    Sou ex militar das forças armadas, Exército e servi por 8 anos , de 1996 a 2004.
    Gostaria de saber se após eu terminar a extensão de VSPP, eu posso exercer diretamente a função ou devo primeiro ficar como Vigilante Patronal pra só depois poder exercer a função de atividade de VSPP?

  30. Olá Renato!
    Obrigado pelo seu comentário.
    Forte abraço e sucesso.

  31. Não pode, o vigilante tem que ser registrada na empresa, com carteira de trabalho assinada, com relação a carga horária, de acordo com as nova legislação trabalhista, ela pode ser flexível, porém registro em carteira e o recolhimento de impostos e benefícios dos vigilantes devem ser mantidos.
    Forte abraço e sucesso!

  32. Olá Wendell!
    De acordo com a nova legislação trabalhista é possível, porém sugiro que procure o sindicato dos vigilantes da sua região para verificar se existe algum acordo coletivo da categoria sobre o assunto.
    Forte abraço e sucesso!

  33. Uma empresa de vigilancia pode contratar um vigilante para fazer diaria
    Pagando um determinado valor por cada plantão q a pessoa fizer sem assinar a carteira de trabalho e sem assinar qualquer contrato?

  34. Uma empresa de vigilancia pode contratar um vigilante so para tirar diaria
    Pagando um valor determinado por cada plantão?

  35. Olá Odinei!
    Obrigado pelo seu comentário.
    Forte abraço e sucesso!

  36. tá de parabéns esse site muito boa as explicações e tira a duvida de muitas pessoas essa área de segurança privada é uma área muito boa ou seja é aquele profissional que tem boa conduta e não deve nada para a justiça praticamente é como se esse profissional fosse um Militar nos Estados unidos essa profissão é muito valorizada.

  37. Olá Everton! Tudo bem? Espero que sim!

    O cargo de Agente Escolar não tem ligação direta com a função de vigilante.

    De acordo com a legislação atual, Vigilante é o profissional responsável pelo exercício das atividades de segurança privada, armada ou desarmada, desenvolvidas pelas empresas especializadas e/ou pelas empresas que possuem serviço orgânico de segurança.

    O vigilante somente pode ser contratado por empresas que tenham autorização da Policia Federal para exercer atividades relacionadas a Segurança Privada.

    O curso de formação de vigilante é exigido legalmente apenas para os profissionais que pretendem atuar nas atividades de segurança privada, desenvolvidas por empresas autorizadas pela Polícia Federal.

    Devido ao exposto acima, não vejo necessidade ou legalidade na exigência do curso de formação de vigilante para o exercício da função de Agente Escolar.

    A função de agente escolar se enquadra, de acordo com o Ministério do Trabalho, CBO 3341-10, a função de Inspetor de Alunos, conforme descrição abaixo:

    CBO 3341-10 Inspetor de alunos de escola pública

    3 -TÉCNICOS DE NIVEL MÉDIO
    33 -PROFESSORES LEIGOS E DE NÍVEL MÉDIO
    334 -INSPETORES DE ALUNOS E AFINS
    3341 -Inspetores de alunos e afins
    334110 -Inspetor de alunos de escola pública

    Sinônimos do CBO

    – Agente de organização escolar
    – Agente educador
    – Auxiliar técnico de educação
    – Inspetor de alunos
    – Inspetor de disciplina
    – Monitor de alunos
    Ocupações Relacionadas
    – Inspetor de alunos de escola privada
    – Monitor de transporte escolar

    Descrição Sumária
    Cuidam da segurança do aluno nas dependências e proximidades da escola; inspecionam o comportamento dos alunos no ambiente escolar. orientam alunos sobre regras e procedimentos, regimento escolar, cumprimento de horários; ouvem reclamações e analisam fatos. prestam apoio às atividades acadêmicas; controlam as atividades livres dos alunos, orientando entrada e saída de alunos, fiscalizando espaços de recreação,definindo limites nas atividades livres. organizam ambiente escolar e providenciam manutenção predial.
    Formação e Experiência
    O exercício dessas ocupações requer ensino fundamental (inspetor de alunos de escolapública) e ensino médio (inspetor de alunos de escola privada). o inspetor de alunosde escola pública é recrutado por meio de concurso público.
    Condições Gerais de Exercício
    Trabalham em estabelecimento de ensino público, privado ou em escolas livres. sãoestatutários ou celetistas. atuam em equipe, em locais abertos ou fechados, em perío do diurno ou noturno, sob supervisão ocasional de diretores ou secretários de escola.podem permanecer em pé por períodos longos, em locais ruidosos. os profissionais queatuam em escola pública assumem, também, funções pertinentes a outros profissionaisadministrativos e pedagógicos como, por exemplo, ouvir reclamações de professoressobre ameaças de alunos em áreas de violência, orientar alunos e fazer pequenosreparos nas escolas.

    Fonte: mtecbo.gov.br

    Forte abraço e sucesso na sua carreira.

  38. Olá boa noite, me chamo Éverton Silva.
    Quero tirar um dúvida.
    Trabalho em uma instituição de ensino superior, recebi uma proposta de promoção para o cargo de Agente Escolar, onde para eu poder assumir o cargo tenho que ter curso de vigilante.
    Possuo algumas dúvidas.
    A empresa pode me contratar para agente escolar, somente tendo o curso de vigilante?
    A empresa me contratando com esse requisito eles devem pagar a reciclagem?
    O salário do agente escolar é bem inferior ao de vigilante, já que o requisito é ter curso, a empresa está sendo honesta com o funcionário, requisitando uma formação de vigilante para trabalhar como agente escolar ?

  39. Olá Felipe!
    Não há nada que fale sobre isso.
    Particularmente, acho que o armamento deve ser municiado de acordo com sua capacidade normal, algumas pessoas adotam esse procedimento como medidas de segurança para evitar disparos acidentais.
    Forte abraço e sucesso na sua carreira

  40. Estou com uma dúvida ! Em qual artigo fala sobre a quantidade de munições que o vigilante deve usar nas câmaras do seu revólver cal o.38 em exercicio de trabalho ? Pois em um posto de serviço o vigilante foi orientado pelo cliente a utilizar 05 munições e deixar uma das câmaras vazias! Haja em vista que ainda tem o seguro ,será que cobre em uma situação de sinistro ? Aprendo muito com vc ,sempre surgem algumas duvidas e sem duvidas ,gosto de elimina-las . Forte Abraço .

  41. José Sérgio, boa tarde, gostaria de um fone para contato, sou vigilante, instrutor de escola de formação e advogado e gostaria de trocar algumas informações com vc… podes mandar teu watts ou telefone para o e-mail adv.leandro.benini@gmail.com … fico no teu aguardo… Abs, Leandro Benini

  42. Olá Mendonça
    Parabéns pela sinceridade e demonstração de amor a profissão de segurança privada, atitude hoje em dia que poucos adotam, algumas pessoas por motivos diversos e frustração pessoal, acabam por falar mal da profissão a ponto de colocá-la entres as piores profissões existentes.
    Obrigado pelo seu comentário e elogia a segurança privada.
    Forte abraço e sucesso na sua carreira!

  43. Parabéns! pelo Artigo, realmente só veio enriquecer para ter a percepção do que é realmente ser um vigilante. Ha 18 anos na área, independente de qualquer função, você deve amar o que faz, e se ama então cuida. Tenho cursos. escolta, transportes de valores, inspetor, superior em gestão de RH, tranquei a gestão de seg. Privada pela ausência de emprego. Isso é cuidar, é buscar e gostar do que faz, e cada vez melhorar mais e não esperar elogios externos e reconhecimentos. Obrigado por tudo!

  44. Olá Edvaldo!
    Obrigado pelo seu comentário, forte abraço e sucesso na sua carreira.

  45. Muito interessante esse artigo; capacitação valorização e respeito ao profissional de segurança privada! Eu sou umvigilante.

  46. Bom dia,ser segurança e atuar com prevençao para nao ser surprendido mais infelizmente essa profissao inchor muito e as empresas pararam de inverti no profissional elas so pessam em numerarios e o profissional so e reconhecido pelo RE.sindicato oportunista igual as empresas so que Dinheiro e nao representa a classe,Nos teriamos que ter era uma associasao como existe (na,policia nas forças armadas ets,nao sindicato.)obrigado,vigilante com muito orgulho ,combati um bom combate terminei a carreira e guardei a fe´.

Solicitar exportação de dados

Use este formulário para solicitar uma cópia de seus dados neste site.

Solicitar a remoção de dados

Use este formulário para solicitar a remoção de seus dados neste site.

Solicitar retificação de dados

Use este formulário para solicitar a retificação de seus dados neste site. Aqui você pode corrigir ou atualizar seus dados, por exemplo.

Solicitar cancelamento de inscrição

Use este formulário para solicitar a cancelamento da inscrição do seu e-mail em nossas listas de e-mail.