- 5790FBE8A27AC0FA6FCB89065534CF70

Teoria da Expectativa de Victor Vroom: O que diz a Teoria da Expectância

Você quer conhecer os principais conceitos e definições relativos a Teoria da Expectativa de Victor Vroom, também conhecida como Teoria da Expectância? Quais suas principais premissas? e O que diz essa teoria motivacional?

Todos os ocupantes de cargos de liderança devem conhecer as teorias básicas relativas à motivação, uma vez que, dentre suas principais funções esta de motivar seus subordinados na conclusão de objetivos.

A teoria de expectativa é uma teoria motivacional desenvolvido por Victor Vroom. Ela busca explicar os fatores determinantes das atitudes e dos comportamentos no local de trabalho. Ela sugere que a motivação no ambiente de trabalho depende de três varáveis: expectativa, instrumentação e valência Leia este artigo até o final e tire toda as dúvidas sobre esse tema relevante.

Escrito por José Sérgio Marcondes
Postado 05/08/2021

O que é Motivação?

Como a teoria de necessidades adquiridas de McCleeland está relacionada diretamente com a motivação humana, acho importante fazer uma pequena introdução sobre a motivação de forma a permitir sua conexão com a teoria abordado neste post.

A motivação é uma força interna, que se encontra dentro de cada um de nós, nasce das nossas necessidades e desejos. Pode  ser  definida  como  aquilo  que  é  susceptível  de  mover o indivíduo numa direção.  É  o  que  faz  o  indivíduo  agir  para  atingir  algo  que  ele considere importante para ele ou para causa de defende.

A motivação é considerada um condição indispensável para que os empregados executem suas atribuições de forma satisfatórias nas organizações.

Devido a sua importância no ambiente profissional, a motivação despertou o interesse de diversos estudiosos interessados em desvendar as causas (os fatores) geradores da motivação humana.

Os estudos e pesquisa neste área do comportamento humano, buscam compreender como se dá o desencadeamento de determinados comportamentos nas pessoas, e quais fatores iniciam e potencializam esses comportamentos.

Neste contexto surgiam diversas teorias motivacionais, que são suposições teóricas baseadas em resultados de estudo e pesquisa sobre a motivação humana, fazem parte desse grupo de teorias a Teoria de Necessidades Adquiridas de David McCleeland, objeto deste artigo.

O que é Teoria da Expectativa de Victor Vroom?

A teoria de expectativa, também chamada de teoria da expectância, é uma teoria motivacional desenvolvido por Victor Vroom. Essa teoria busca explicar os fatores determinantes das atitudes e dos comportamentos no local de trabalho. Ela sugere que a motivação no ambiente de trabalho depende de três varáveis: expectativa, instrumentação e valência

A teoria da expectância baseia-se na premissa geral de que a motivação para o desempenho que um indivíduo possui, apoia-se na antecipação que ele faz de eventos futuros. Ela sugere que a expectativa de um resultado positivo orienta e potencializa a motivação.

De acordo com a teoria de expectativas, uma pessoa apresenta determinado comportamento positivo por achar que receberá uma boa recompensa por isso. Quanto maior a expectativa pela recompensa maior tende a ser seu grau de motivação.

Teoria da Expectativa

O que diz a Teoria de Expectativa?

A teoria de expectativa faz uma relação entre desempenho e recompensa, argumentando que um indivíduo se sente motivado a esforçar-se em realizar algo quando acredita que seu desempenho será bem avaliado e que isso resultará em recompensas que atenderão suas metas pessoais (VERGARA 2009).

A teoria da expectativa foi desenvolvida pelo psicólogo e professor da faculdade de Yale Victor H. Vroom em 1964 e ampliada por Porter e Lawler em 1968. Em sua teoria, Vroom defende que quando colaboradores acreditam que altos níveis de esforço elevam seu desempenho e, através disso, é possível obter recompensas e atingir objetivos, eles se sentem mais motivados.

O autor, estabelece uma relação entre motivação e performance, afirmando que (…) quanto mais motivado o trabalhador está para uma performance eficaz, mais eficaz será sua performance1 ” (VROOM, 1970. p. 229)

A Teoria da Expectativa defende que o nível motivacional de um indivíduo depende da força de três fatores:

  • Expectativa: meu esforço melhora o desempenho;
  • Instrumentalidade: meu desempenho traz recompensas;
  • Valência: as recompensas são atraentes e valiosas.

Segundo Vroom, os líderes precisam criar e colocar em prática as duas primeiras relações: expectativa e instrumentalidade. A terceira relação, valência, é criada automaticamente, com base nas duas primeiras, segundo o autor.

Quais são as variáveis da Teoria da Expectativa?

Victor Vroom defende que o comportamento humano é resultado de escolhas conscientes entre alternativas disponíveis. Ele usa as variáveis Expectativa, Instrumentação e Valência para explicar isso:

  • Expectativa é a crença de que o aumento do esforço levará a um aumento do desempenho, ou seja, se eu trabalhar mais, então isso será melhor. É a crença de que o esforço de alguém resultará na obtenção de metas de desempenho desejado.
  • Instrumentalidade é a crença de que uma pessoa receberá uma recompensa se a expectativa de desempenho for cumprida. Ou seja, se eu faço um bom trabalho, há algo nele para mim. Esta recompensa pode apresentar-se na forma de um aumento salarial, promoção, reconhecimento ou senso de realização. A instrumentalidade é baixa quando a recompensa é a mesma seja qual for o desempenho.
  • Valência é a importância que o indivíduo atribui às recompensas. Os desejos ou objetivos individuais, podem ser classificados por sua importância (valência), representando o quanto aquele desejo pode ou não influir na motivação, de acordo com a importância que tem para a pessoa. Por exemplo, se alguém é motivado principalmente pelo dinheiro, pode não valorizar ofertas de tempo livre (folgas extras).
variáveis da Teoria da Expectativa

Fórmula da Teoria da Expectância

Victor Vroom defende que Força Motivacional corresponde ao produto Expectativa x Instrumentação x Valência (M = E x I x V), ou seja a força motivacional (M) de determinada pessoa corresponde ao produto da probabilidade de alcançar um objetivo (E=Expectativa x I=Instrumentação) com valor atribuído a esse objetivo (V=Valência).

Assim, a motivação será nula (M=0) quando for indiferente atingir ou não determinado objetivo ou quando não existir qualquer expectativa de atingir o resultado. Da mesma forma, ocorre desmotivação (M<0) sempre que a valência é negativa, isto é, quando a pessoa prefere não atingir o objetivo.

Ao decidir entre opções comportamentais, os indivíduos selecionam a opção com a maior quantidade de força motivacional (M>0).

Segundo Vroom o produto das três variáveis – valência, instrumentalidade e expectância (VIE) – revela a “força motivacional” ou “índice motivacional” do indivíduo em relação a um conjunto de fatores presentes no ambiente de trabalho.

As três relações propostas pela Teoria da Expectativa de Victor Vroom

Robbins (2009) destaca que a teoria da expectativa enfoca três relações:

  1. Relação esforço-desempenho: refere-se à probabilidade percebida pelo colaborador de que determinada quantidade de esforço levará ao desempenho. Alguns determinantes são: situação atual e comunicação com outras pessoas, autoestima, experiências passadas em situações similares;
  2. Relação desempenho-recompensa: grau em que o colaborador acredita que certo nível de desempenho levará ao resultado desejado. Alguns exemplos são: experiências passadas em situações similares, atratividade dos resultados, crença no controle interno versus externo, expectativa do esforço-desempenho, situação atual e comunicação com outras pessoas;
  3. Relação recompensas-metas pessoais: grau em que as recompensas individuais satisfazem as metas pessoais, ou ainda, o grau em que as recompensas organizacionais satisfazem as metas pessoais ou as necessidades do indivíduo, e a atração que essas recompensas potenciais exercem sobre ele.
relações propostas pela Teoria da Expectância

Segundo Vroom a motivação é produto de duas partes principais:

  • Os desejos ou objetivos individuais, os quais podem ser classificados por sua importância (que ele chamou de “valência”), representando o quanto aquele desejo pode ou não influir na motivação, de acordo com a importância que tem para a pessoa.
  • A expectativa de alcançar os objetivos. A pessoa precisa acreditar que é possível satisfazer aquele desejo que acredita ter um alto grau de valência. De outro modo, o desejo pode surtir o efeito contrário.

Assim, a motivação será nula quando for indiferente atingir ou não determinado objetivo ou quando não existir qualquer expectativa de atingir o resultado. Da mesma forma, ocorre desmotivação sempre que a valência é negativa, isto é, quando a pessoa prefere não atingir o objetivo.

Conclusão

A teoria da expectância baseia-se na premissa geral de que a motivação para o desempenho que um indivíduo possui, apoia-se na antecipação que ele faz de eventos futuros, e sugere que a expectativa de um resultado positivo orienta e potencializa a motivação.

A Teoria da Expectativa defende que o nível motivacional de um indivíduo depende da força de três fatores:

  • Expectativa: meu esforço melhora o desempenho;
  • Instrumentalidade: meu desempenho traz recompensas;
  • Valência: as recompensas são atraentes e valiosas.

A essência da teoria da expectativa está na compreensão dos objetivos individuais dos colaboradores, buscando compreender a relação existente entre a satisfação no trabalho e a motivação para a sua realização.

Para que a motivação do colaborador seja potencializada no ambiente profissional é primordial que a organização se atente a três condições básicas: (ROBBINS, 2009)

  • o esforço do colaborador deve ser avaliado e reconhecido, pois caso contrário, não irá mais despender esforços para atingir tal objetivo;
  • a avaliação de desempenho deverá ser eficaz, resultando em recompensas organizacionais concretas; e,
  • a recompensa deverá ser atraente, fazendo assim com que a pessoa se empenhe cada vez mais.

Se você gostou do artigo e achou útil, por favor, deixe um comentário logo abaixo para compartilhar sua opinião conosco. Ela é extremamente valiosa para mim!

Um forte abraço e votos de sucesso!

José Sergio Marcondes – CES – CPSI – Gestor, Consultor e Diretor do IBRASEP. Sou um profissional com competências sólidas nas áreas de segurança privada e gestão empresarial. Conecte comigo nas redes sociais.

Ajudar a divulgar nosso trabalho é fundamental! Curta e compartilhe nossas publicações com seus amigos nas redes sociais. Essa atitude não apenas incentiva o autor a publicar mais artigos relevantes, mas também possibilita que mais pessoas tenham acesso a esse conteúdo valioso.

Faça parte da nossa comunidade!

Você busca conhecimentos atualizados e oportunidades para aprimorar suas competências nas áreas de segurança privada e gestão empresarial? Não perca a chance de se manter informado e conectado com as últimas tendências e insights do setor!

Inscreva-se em nossa Newsletter e junte-se ao nosso Grupo no WhatsApp para receber notificações sobre novos artigos, dicas valiosas e recursos adicionais que impulsionarão sua carreira profissional.

Indicação de Artigos Complementares

Sugiro a leitura dos artigos a seguir como forma de complementar o aprendizado desse artigo.

Motivação: O que é, Definição, Conceito, Quais são os Tipos, Importância

Teoria ERG (ERC) de Alderfer: O que é? Em Que consiste a Teoria ERG

Teoria dos Dois Fatores de Herzberg: Fatores Higiênicos e Motivacionais

Teoria X e Teoria Y de Douglas McGregor: O que são? Suposições

Hierarquia de Necessidades de Maslow: O que? Como Funciona

Dados para Citação Artigo

MARCONDES, José Sérgio (10 de agosto de 2021). Teoria da Expectativa de Victor Vroom: O que diz a Teoria da Expectância. Disponível em Blog Gestão de Segurança Privada: https://gestaodesegurancaprivada.com.br/teoria-da-expectativa-de-victor-vroom-o-que-diz-a-teoria-da-expectancia/ – Acessado em (inserir data do acesso).

Referências Bibliográficas

Porter, L. W. e Lawer, E. E. Managerial Attitudes and Performance (Homewood, IL: Richard D. Irwin, 1968), pp 107-139

ROBBINS, S. P. Comportamento organizacional. 11. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.p.132.

ROBBINS, Stephen. Comportamento Organizacional. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2002

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 2004.

VROOM, V. H. (Org.). Gestão de pessoas, não de pessoal. 11. ed. Rio deJaneiro: Elsevier, 1997.

Vroom, V. H. Work and Motivation (Nova Iorque: John Wiley, 1964), pp 55-71;

"? Fique por Dentro! Junte-se ao Nosso Grupo de WhatsApp!

Quer ser o primeiro a receber todas as atualizações do nosso blog? Então, não perca tempo! Junte-se ao nosso Grupo de WhatsApp agora mesmo e esteja sempre atualizado(a) com as últimas postagens.

Sobre o Autor

José Sergio Marcondes
José Sergio Marcondes

Graduado em Gestão de Segurança Privada, MBA em Gestão Empresarial e Segurança Corporativa. Detentor das Certificações CES (Certificado de Especialista em Segurança Empresarial), CPSI (Certificado Profesional en Seguridad Internacional), CISI (Certificado de Consultor Internacional en Seguridad Integral, Gestión de Riesgos y Prevención de Pérdidas). Mais de 30 anos de experiência na área de segurança privada. Consultor e diretor do IBRASEP, trazendo uma notável expertise em segurança, além de possuir sólidos conhecimentos nas áreas de gestão empresarial.

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


  1. Olá Heloisa de Souza!
    Fico muito feliz em saber que o artigo esta sendo útil para os seus estudos. Essa é a principal missão dele.
    Obrigado pelo seu comentário.
    Forte abraço e sucesso!

  2. Me ajudou a estudar e entender muitíssimo bem sobre o assunto para a apresentação do meu seminário, está muito bem resumido, e o melhor é que está com informações bem diretas. Estou cursando administração e tenho certeza que esse blog ainda vai me ajudar muito!

Solicitar exportação de dados

Use este formulário para solicitar uma cópia de seus dados neste site.

Solicitar a remoção de dados

Use este formulário para solicitar a remoção de seus dados neste site.

Solicitar retificação de dados

Use este formulário para solicitar a retificação de seus dados neste site. Aqui você pode corrigir ou atualizar seus dados, por exemplo.

Solicitar cancelamento de inscrição

Use este formulário para solicitar a cancelamento da inscrição do seu e-mail em nossas listas de e-mail.